quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Morre o ator Duda Ribeiro

Morreu o ator Duda Ribeiro, que se destacou no teatro, fez novelas e participou de filmes brasileiros de sucesso. Ele faleceu nesta quarta-feira (14/9) aos 54 anos, no hospital Adventista Silvestre no Rio de Janeiro, devido a complicações no tratamento de um câncer que ele enfrentava desde 2010.

Duda Ribeiro nasceu em 5 de junho de 1962, no Rio de Janeiro. Formado em engenharia, virou ator no final dos anos 1980 após ser convidado para a montagem do espetáculo “Nossa Cidade” pelo diretor Carlos Wilson, mesmo sem nunca ter atuado, e seguiu carreira, atuando em várias peças, dirigindo e até escrevendo produções como “Doida Varrida”, “Uma Dupla de Dois” e “Ópera dos Horrores”.

Ele estreou na TV na novela “Barriga de Aluguel” (1990), de Glória Perez, e acabou criando um vínculo afetivo com a autora, após namorar sua filha, Daniella Perez, voltando a trabalhar em outros teledramas escritos por ela, como o remake de “Pecado Capital” (1998), “Caminho dos Índias” (2009) e a recente “Salve Jorge” (2012).

“Duda chegou em nossa família na adolescência, como o primeiro namorado sério da Dany. E ficou para sempre, como um amigo querido e presente”, escreveu Glória Perez nas redes sociais. “Hoje ele foi embora, depois de lutar tanto e tão bravamente pela vida. Muita saudade, Duda”.

O ator também participou da série infantil “Sítio do Pica-Pau Amarelo” como o personagem Jeca Tatu, e de várias outras séries da Globo, como “Labirinto” (1998), “Avassaladoras: A Série” (2006), “Amazônia: De Galvez a Chico Mendes” (2007), “Casos e Acasos” (2008), “SOS Emergência” (2010) e “Tapas & Beijos” (2011), além das sitcoms “Meu Passado Me Condena” (2012) e “Vai que Cola” (2013) no Multishow.

Foram poucos papeis no cinema, mas sua carreira vinha crescendo também nesta direção. Após figurar em “Meu Nome Não É Johnny” (2008), participou de “Assalto ao Banco Central” (2011), “O Concurso” (2013) e “O Duelo” (2015), seu último trabalho.

Ele estava escalado para a próxima novela de Gloria Perez, “À Flor da Pele”, que estreia em 2017 na Globo.

Fonte: http://pipocamoderna.com.br/2016/09/duda-ribeiro-1962-2016/

domingo, 11 de setembro de 2016

Série depoimentos- Romeu Evaristo

Foto: Adhemar Veneziano/ Reyes
de Sá Viana
Nascido em fevereiro de 1956, Romeu Evaristo estreou na televisão em 1973 na  novela "João da Silva".

 Também reconhecido por interpretar o Angolano no humorístico Zorra Total, Romeu teve sua carreira marcada por interpretar o Saci no Sítio do picapau amarelo entre os anos de 1977 e 1986.

 Abaixo você confere um pequeno depoimento do ator sobre seu personagem no Sítio.




sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Por onde anda João Acaiabe, o Tio Barnabé do 'Sítio do Pica-Pau Amarelo'?

Jair Magri/TV Cultura e Divulgação/Globo
João Acaiabe ficou na memória de quem foi criança nos anos 2000 como  o Tio Barnabé da versão mais recente do “Sítio do Pica-Pau Amarelo”. Após 7 anos interpretando o personagem, o ator fez outros trabalhos – como o remake de “Chiquititas” de 2013 a 2015 no SBT, na pele do cozinheiro Chico –, mais ainda é lembrado pelo personagem do programa infantil da Globo.

“Foi um trabalho belíssimo, foi muito bom fazer. Eu não tenho mais identidade. Uns me chamam de tio Barnabé, uns me chamam de Chico. E eu não sei mais quem eu sou”, brinca, no programa "Persona em Foco” que será exibido às 23h30 desta terça-feira (6), na TV Cultura.
As gerações mais antigas ainda lembram do ator por “Bambalalão, também da TV Cultura. No infantil dos anos 80, ele contava histórias. “Eu fui pioneiro de contar história em televisão. O Antônio Abujamra me deu isso”, recorda.

Hoje com 72 anos e 39 de carreira na TV, Acaiabe recorda o início da profissão, aos 18. “Eu tinha feito o magistério e vim do interior para São Paulo para fazer psicologia. Ingressei na Escola de Arte Dramática da USP, era o único negro da turma. No ginásio, eu era o único negro e na escola também. Mas é incrível como o teatro recebe a gente, negros, brancos, mestiços, gays, lésbicas. Ele abraça”. 

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Vídeo

Dona Benta

“Numa casinha branca, lá no Sítio do Picapau Amarelo, mora uma velha de mais de sessenta anos. Chama-se Dona Benta. Quem passa pela estrada e a vê na varanda, de cestinha de costura ao colo e óculos de ouro na ponta do nariz, segue seu caminho pensando: - Que tristeza viver assim tão sozinha neste deserto...”

domingo, 7 de agosto de 2016

Sítio no Vídeo Show

 Anderson Di Rizzi descobre o que estava no ar na TV no dia do seu nascimento. Entre os programas o "Sítio" começava a apresentar o episódio "A reinação atômica".
https://globoplay.globo.com/v/5209428/

sábado, 30 de julho de 2016

Tia Nastácia

 Anastácia Maria da Conceição, ou Tia Nastácia, é a cozinheira do Sítio de Dona Benta. Ficou famosa pelos seus quitutes, em especial os seus bolinhos de chuva que serviram até o Minotauro. Muito devota de São Jorge, inclusive quando foi enganada pelas crianças e levada até a lua teve a oportunidade de conhecê-lo de perto até de cozinhar para o santo guerreiro. Foram de suas mãos que a Emília foi feita, usando sua saia velha, macela e retrós. Tia Nastácia é querida por todos e conhece todas as histórias do nosso folclore.

Taubaté restaura estátuas do Sítio do Picapau Amarelo

Esculturas dos personagens do sítio do Picapau Amarelo estão sendo restauradas na praça Oito de Maio em (SP). As sete esculturas, feitas de cerâmicas, foram vandalizadas e deterioradas com o tempo. Os vândalos arrancaram a ponta do nariz do Pedrinho, a Dona Benta perdeu a boca e os óculos do Visconde foram furtados. Para a restauração, as estátuas estão cercadas por tapumes. O artista Humberto de Oliveira, que fez as obras e está fazendo a revitalização, está utilizando silicone no trabalho de restauro. Ele vê com tristeza o ato de vandalismo. “Um artista quer fazer novas artes, não ter que ficar restaurando as vandalizadas”, afirmou. Além dessas estátuas, outras pela cidade também serão revitalizadas, como a gigante de Monteiro Lobato com a boneca Emília na entrada da cidade e a que da praça Santa Terezinha.

Fonte: http://g1.globo.com/sp/vale-do-paraiba-regiao/noticia/2016/07/taubate-restaura-esculturas-do-sitio-do-picapau-amarelo.html

Árvores são catalogadas no Sítio do Picapau Amarelo em Taubaté, SP

 Árvores são catalogadas no Sítio do Picapau Amarelo em Taubaté, SP Espécies estão sendo avaliadas no sítio onde Monteiro Lobato cresceu. Trabalho feito no processo de recuperação será explicado nas visitas. O trabalho no local, onde fica o Sítio do Picapau Amarelo, é feito por técnicos ambientais para garantir a preservação das espécies. Uma jaqueira bicentenária está entre as árvores avaliada.

A jaqueira é um dos cenários da infância de Monteiro Lobato - a árvore tem 29 metros de altura e uma copa com 20 metros de diâmetro. Em 2010 foi detectada uma grave lesão interna na árvore e atualmente ela está sustentada por estruturas.

Leia matéria completa:
http://g1.globo.com/sp/vale-do-paraiba-regiao/noticia/2016/07/arvores-sao-catalogadas-no-sitio-do-picapau-amarelo-em-taubate-sp.html

O 9º Prêmio Zilka Sallaberry homenageia o “Sítio do Pica Pau Amarelo”

Foto: http://www.piscitellientretenimentos.com/
 Premiando espetáculos infantis do Rio de Janeiro, a edição do ano passado do Prêmeio Zilka Salaberry prestou homenagens ao diretor Geraldo Casé bem como a Monteiro Lobato e o Sítio do Picapau amarelo.

 Atores do programa puderam falar sobre suas ligações com o programa e com a própria obra de Lobato. Nicette Bruno e Suely Franco, que deram vida à Dona Benta, relembraram a marcante interpretação de Zilka durante os anos 80 no "Sítio". Além delas, Izabella Bicalho esteve presente relembrando os momentos em que contracenou com Zilka entre os anos de 1983 e 1984.

 Netos de Geraldo Casé receberam as honrarias ao diretor que durante 9 anos dirigiu o sítio do picapau amarelo na rede Globo.

Nicette Bruno e Suely Franco falam sobre "Sítio do Pica Pau Amarelo"


Mais informações:
http://www.piscitellientretenimentos.com/o-9o-premio-zilka-sallaberry-cerimonia-no-teatro-oi-casa-grande-marca-homenagens-a-monteiro-lobato-ao-geraldo-case-e-ao-sitio-do-pica-pau-amarelo/